Documento de Suporte de Maio

Go back to all support documents

Sugestão de ordem de serviço para um tempo de oração

Esta ordem de serviço inclui uma canção em língua bahasa (idioma oficial da Indonésia), e todos os meses será proposta música de uma igreja diferente para ser ouvida e/ou cantada. Devem sentir-se à vontade para adaptar a música de acordo com a vossa situação local, bem como a disposição do espaço para a oração.’

 

Cântico 1: A ação do Espírito Santo / Karya Roh Kudus

 

Salmo

Salmo 116 a

Amo ao Senhor, porque ele ouviu a minha voz;
e o meu pedido de misericórdia.
Porque inclinou a mim os seus ouvidos;
hei de invocá-lo enquanto viver.

As garras da morte cercavam-me,
as redes do sepulcro caíam sobre mim;
eu estava aflito e cheio de tristeza.
Então invoquei o nome do Senhor:
“Ó Senhor, livra a minha alma.”

O Senhor é justo e compassivo;
o nosso Deus tem misericórdia.
O Senhor protege os indefesos;
quando estava sem forças, Ele libertou-me.

Volta, minha alma, para o teu repouso,
pois o Senhor te fez bem.
Porque Tu livraste a minha alma da morte,
os meus olhos das lágrimas,
e os meus pés da queda.
Por isso, andarei perante a face do Senhor
na terra dos vivos.

 

Salmo 117

Louvai ao Senhor todas as nações,
louvai-o todos os povos.
Porque a sua benignidade é grande para connosco,
e a verdade do Senhor dura para sempre.
Louvai ao Senhor.

 

Texto da Bíblia

Ato dos Apóstolos 2:1-13

Quando chegou o dia da festa do Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar. De repente, veio do céu um ruído semelhante ao de um vento forte que ressoou por toda a casa onde se encontravam. Foram então vistas por eles umas línguas como de fogo, que se espalharam e desceram sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem.

Encontravam-se em Jerusalém, nessa altura, judeus devotos vindos de todas as nações do mundo. 6Quando se ouviu aquele ruído, juntou-se muita gente e ficaram todos admirados, porque cada um deles os ouvia falar na sua própria língua. A multidão ficou deveras maravilhada, e diziam uns aos outros: «Estes homens que estão a falar não são todos da Galileia? Como é que cada um de nós os ouve na nossa própria língua? Há aqui gente que veio da Pártia, da Média, do Elam, da Mesopotâmia, da Judeia, da Capadócia, do Ponto, da Ásia, da Frígia, da Panfília, do Egito e das regiões da Líbia que ficam perto de Cirene. E alguns vieram de Roma. Uns são judeus e outros convertidos à religião judaica. Alguns, ainda, vieram de Creta e outros da Arábia. Todos nós os ouvimos nas nossas próprias línguas falar das coisas maravilhosas que Deus tem feito.» Estavam todos muito admirados, sem saberem o que pensar, e perguntavam-se: «Que quer isto dizer?» Mas outros diziam, a fazer troça: «Eles estão mas é bêbados!»

 

Cântico 2: A ação do Espírito Santo / Karya Roh Kudus

 

Reflexão Bíblica

A história da vinda do Espírito Santo é um tesouro na vida da Igreja primitiva. Ensina-nos o modo como os Apóstolos e Maria esperaram juntos o cumprimento de uma das promessas de Jesus, nomeadamente a de dar aos seus discípulos a força do alto (Lc 24,9) que os conduziria à plenitude da verdade (Jo 16,13). É uma história de fundação que fala do sentido da Igreja, do Espírito que anima a comunidade dos crentes e, ao mesmo tempo, da sua profunda ligação com a vida e a mensagem de Jesus.

O que é que aconteceu “quando chegou o dia de Pentecostes”? Reunidos para a festa judaica, em profunda continuidade com a espiritualidade de Israel, os discípulos estavam juntos. Graças a esta comunhão visível de facto, este acontecimento permite-lhes testemunhar um dom tão grande. Mas o que Lucas descreve na narração dos Atos dos Apóstolos, sobretudo nos versículos 2 a 4, são acontecimentos físicos e sonoros extraordinários: um ruído, um sopro, línguas de fogo. O sopro e o fogo são elementos de grande simbolismo bíblico que indicam uma certa presença de Deus. O rugido poderia ser imaginado demasiado depressa como uma espécie de ruído, um som sem beleza. A palavra original é “eco”, que pode ser traduzida em grego como um som forte. Mas, mais do que um ruído, é um efeito sonoro, um som que ressoa.

Que efeitos produziram estes acontecimentos? O próprio relato fala-nos de um dia em que os discípulos puderam falar das maravilhas de Deus a pessoas de todos os países onde a família de Israel se tinha espalhado. No final desse dia, muitos tinham sido batizados (Atos 2,41). No entanto, o acontecimento milagroso parece ter dois efeitos convergentes: os discípulos começaram a falar noutras línguas e as pessoas ouviam-nos falar nas suas próprias línguas. Este pormenor mostra-nos que a ação do Espírito, que se manifesta em primeiro lugar na receção de um dom da comunidade dos crentes, atua ao mesmo tempo nos ouvidos de quem escuta, e que o dom não é apenas um milagre linguístico, mas também a possibilidade de comunicação e de relação mútuas.

Enquanto esperamos até hoje o cumprimento das promessas de Jesus, pedir e renovar o nosso desejo do dom do Espírito Santo que une e comunica no meio de toda a diversidade parece necessário e mesmo urgente. Tanto o acontecimento como os seus efeitos poderiam levar cada um de nós, no seu lugar e na sua realidade quotidiana, a superar as incomunicações ou os mal-entendidos. Uma pista para esta procura seria recordar quais os sons, quais as palavras, ou mesmo as emoções, que nos desencadearam no nosso caminho de fé e que continuam a ressoar em nós muito tempo depois, inspirando-nos tanto a nível pessoal como na vida com os outros. Esses sons têm a assinatura do Espírito.

 

Questões para partilhar:

  1. Que acontecimentos marcaram a minha experiência de fé desde o princípio?
  2. Existiram também nos dias de hoje barreiras de comunicação na nossa própria comunidade eclesial e como podemos ultrapassá-las?
  3. Em relação às outras confissões cristãs que conheço, que sinais de unidade visível podemos procurar para mostrar que estamos a esperar juntos o dom do Espírito de Deus.

 

Uma palavra dos primeiros cristãos

O Espírito desceu sobre o Filho de Deus, que se tinha feito Filho do Homem: assim, com o Espírito, habitou no género humano, repousou sobre os homens, residiu na obra modelada por Deus; o Espírito realizou neles a vontade do Pai e renovou-os, transformando-os da sua condição anterior na novidade de Cristo. É também por isso que o Senhor tinha prometido enviar-nos um Defensor que nos sintonizasse com Deus. Porque, assim como a farinha seca não pode ser transformada numa só massa e num só pão sem água, assim também nós, que éramos muitos, não podíamos tornar-nos um só em Cristo Jesus sem a Água que veio do céu.

Ireneu de Lyon (século II)

 

Atividade de grupo

O poder do Pentecostes: Partilhar o Evangelho em diferentes “línguas”

Objetivo:
Compreender o significado do Espírito Santo ao permitir que os crentes comuniquem a mensagem do Evangelho de diversas formas, e pôr esta compreensão em prática servindo os outros e partilhando a mensagem do Pentecostes através de várias formas de linguagem.

– Comece por ler Atos 2:1-13 em grupo.

– Peça aos participantes para refletirem sobre o significado do Espírito Santo nesta passagem, e como isso se relaciona com a nossa capacidade de comunicar a mensagem do Evangelho aos outros.

– Peça aos participantes para partilharem exemplos de diferentes “linguagens” que eles usam nas suas vidas diárias (tais como redes sociais, música, arte, etc.) e como eles poderiam potencialmente usar essas formas de linguagem para partilhar a mensagem de Pentecostes com os outros.

– Encoraje os participantes a considerar também como os seus talentos e habilidades únicas podem ser uma forma de linguagem para espalhar a mensagem de Pentecostes.

 

Voluntariado ou visita

– Organize uma oportunidade de voluntariado num abrigo local, banco de alimentos, ou centro comunitário. Alternativamente, planear uma visita a um lar de idosos, hospital ou prisão.

– Durante o voluntariado ou a visita, incentive os participantes a interagir com as pessoas que estão a servir e a oferecer palavras amáveis de encorajamento.

– Peça aos participantes que pensem em como podem usar os seus talentos ou capacidades únicas para servir e comunicar com as pessoas que encontram.